19 3234 9317 ibicamp@ibicamp.com.br

UM TOQUE DIFERENTE

UM GESTO DE FÉ

Este é o tema da mensagem deste capítulo: Um Toque Diferente. E será baseada no Livro de Marcos, capítulo cinco, versículo vinte e cinco em diante: Aconteceu que certa mulher, que havia doze anos vinha sofrendo de uma hemorragia, e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem contudo nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior, tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. Porque dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo. Que Deus abençoe o seu coração nesta hora; que a sua mente esteja livre para ouvir e entender o que Deus tem para você ao longo destas linhas.

Todo tipo de gente aflui a Jesus

Este episódio ocorreu justamente quando Jesus estava ali no Mar da Galiléia. Um pouco acima do trecho transcrito, o versículo vinte e um diz que tendo Jesus voltado no barco para o outro lado, afluiu para ele grande multidão; e ele estava junto do mar. Grande multidão, e Ele estava junto ao mar. Eis que chegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e vendo-o, prostrou-se a seus pés, e insistentemente lhe suplicou: Minha filha está à morte; vem e impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá. E Jesus foi com ele. Podemos imaginar este exato momento, quando Jesus volta no barco, desce daquela embarcação e estava com os seus discípulos. E diz a Bíblia que grande multidão afluía àquele local: porque onde Jesus está, normalmente as multidões estão por perto. Você não ignora que ainda hoje as religiões cristãs do mundo têm naturalmente Cristo como centro de suas atividades. Muito embora uns O adorem com um sentido diferente, outros ainda com pensamentos e posturas singulares, a verdade é que todo o mundo quer se aproximar de Cristo porque sabe que Ele tem poder, que Ele é o Filho de Deus, que Ele pode operar maravilhas, milagres e prodígios; então, naquele tempo, normalmente, as multidões afluíam para onde Jesus estava. Sem dúvida, uns por causa do pão, que Ele multiplicava, e oferecia a todos para que se alimentassem; outros, todos aqueles ávidos de novidades, que o seguiam exatamente por curiosidade; mas lá estavam igualmente os hostis, fariseus e saduceus, que nunca procuravam ouvir a voz do Senhor para alimentar a sua alma: na realidade eles sempre procuravam uma palavra para criticar o que Jesus estivesse dizendo, sempre estavam atentos a qualquer falha, alguma coisa que pudesse incriminar o Senhor Jesus Cristo. E existiam aqueles que acompanhavam a multidão porque viam e não resistiam acompanhá-la. Simplesmente seguiam o curso do povo. “Se todos estes vão, eu vou também.” Mas outras pessoas seguiam Jesus porque precisavam com urgência da cura divina, queriam a bênção poderosa para resolver problemas imediatos. Finalmente lá estavam também aqueles que acompanhavam Jesus porque queriam com toda a certeza alimentar a sua vida espiritual. Alimentar sua alma, porque as palavras que Ele proferia produziam vida, eram palavras de vida eterna, e muitos deles, que absorviam estas palavras, não estavam preocupados com pão, não estavam preocupados com cura, mas estavam preocupados precisamente com aquilo que Ele dizia.

As pessoas têm formas diferentes de se aproximar

Uma prova disto é que muitos anos depois da morte de Cristo, quando ainda não existia nada escrito, os discípulos começaram a escrever os Evangelhos, baseados nas palavras que ouviram, guardaram e passaram então a colocar no papel [ [1] ]. Tiramos, desta passagem, uma interessante lição: há várias formas de se seguir a Jesus Cristo. Entretanto, no meio da multidão, sempre existe alguém que faz a diferença. No meio do povão sempre há um ou outro que é diferente de tudo e de todos. Porque, na realidade, seguir ao Senhor envolve um toque de fé. E o primeiro que nós observamos aqui neste momento, no meio da multidão, é a pessoa de Jairo. Jairo estava com a sua filha doente, praticamente à morte. Ele via naturalmente que eram os seus últimos momentos. ao longo de Seu ministério encontramos alguns homens que convidaram Jesus para ir à sua casa; outros viam a majestade de Cristo de modo diferente, como aquele centurião que pedia pelo seu criado, dizendo: Senhor, eu não sou digno de que tu vás à minha casa, mas manda apenas uma palavra, e o meu servo ficará sarado. Porque eu sou homem que estou investido de autoridade, e eu digo para aquele que é subalterno: Vai, e ele vai, vem e ele vem [ [2] ]. Pois aquele homem, demonstrando esta fé extraordinária, verificava que Jesus podia mandar, determinar uma palavra, e o seu servo seria curado. Nem se fazia necessária a presença física de Jesus. Isto é uma demonstração de fé. Fé é coisa que você não vê, fé é a certeza daquilo que se espera, é a convicção daquelas coisas que não existem [ [3] ] e você chama à existência.

A angústia e a perseverança de um homem

E aqui, Jairo, no meio do povo, vai acompanhando a multidão; mas o seu objetivo não era outro senão insistir com Jesus Cristo que fosse pessoal e fisicamente à sua casa para sarar a sua filhinha. E você pode imaginar a marcha lenta da multidão. Jesus não podia andar ligeiro, não podia ir depressa, não podia correr –– mas Jairo tinha pressa, a filha não podia esperar, a morte sondava, rondava o seu lar, e Ele não podia de forma nenhuma perder aquela oportunidade em que Jesus passava por ali naquele momento! E diz a Bíblia que ele estava insistindo. Vem um, fala com Jesus, Jairo segura na roupa, aflito, “Senhor, minha filha!”; vem outro e puxa Jesus para o lado e Jairo continua, “Senhor, a minha filha!”, e vem ainda outro e atropela Jesus e diz, “Senhor...” e começa a conversar com Jesus, querendo atrapalhar a caminhada; e Jairo estava ali por perto: “Senhor, olha para a minha filha que está morrendo!” –– Você pode imaginar a agonia deste pai de família? Porque diz a Bíblia Sagrada que se achegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e vendo-o, prostrou-se a seus pés e insistentemente lhe suplicou. O que é suplicar com insistência? É não parar, é insistir, é bater, é suplicar, é ir atrás, é buscar. Era justamente o que Jairo estava fazendo aqui, naquele momento. Além da multidão que atropelava o Senhor Jesus Cristo, o homem chega, coloca-se de joelhos na presença Dele: “Senhor, a minha filha!” Irmãos queridos, até que chegou o ponto em que Jesus Cristo parou e disse: “Jairo, eu vou com você.” E diz a Bíblia que Jesus foi com ele. Mas você pode imaginar Jesus indo para a casa de Jairo e a multidão afluindo, a multidão acompanhando, seguindo, e o problema realmente se agravando cada vez mais! E o homem ficava perturbado com aquilo, porque estava atrapalhando, o tempo estava passando, o relógio não parava, a morte cada vez mais próxima da sua filha; e ali estava o homem batendo, insistindo para que Jesus fosse à sua casa!

Não desista!

Meus irmãos queridos, a Bíblia nos diz que o próprio Senhor declara, batei, pedi, buscai [ [4] ]. Ele manda que você faça isso! Muitas pessoas estavam batendo, mas já desistiram; e se você já desistiu no meio da caminhada, você já perdeu a bênção que veio buscar! Você já perdeu a maravilha que o trouxe ao encontro de Jesus Cristo. Por que? Desvaneceu, desistiu: “ah, eu não consigo, há tanto tempo orando, há tanto tempo pedindo, pedindo oração para um e para outro e até hoje não vi o resultado, estou desempregado, estou doente, é aquilo e aquilo outro”. E você não vê o resultado da sua oração, e de tanto bater você já desvaneceu. Você já parou. Mas a Palavra de Deus neste momento é que você faça como Jairo fez, ele insistentemente Lhe suplicou, e insistiu, pediu, clamou, rogou, até que chegou o ponto em que Jesus disse: “Eu irei com você!” E Jesus foi com ele, glória ao nome de Jesus! O que é que Jairo precisava? Desta palavra! O que é que ele precisava? Desta confirmação de Jesus! Mas por que Jesus Cristo demorou tanto para dizer a Jairo, “Eu irei com você”? Por que? Porque muitas vezes a nossa fé precisa ser testada, precisa ser provada para ver se é isto mesmo que nós queremos; e se nós queremos, nós vamos em frente, nós buscamos; nós só paramos quando encontramos o objetivo. E quando Jesus disse que ia com Jairo, pronto, naquele momento podia a multidão atropelar Jesus, interromper, parar, porque ele já tinha garantido a palavra de que Jesus iria à sua casa.

Porém, meus irmãos, no meio dessa trajetória, onde vimos o toque especial de insistência da parte de Jairo, no meio dessa trajetória vamos encontrar um outro episódio interessante, enquanto Jesus está indo para a casa de Jairo. As vilas e aldeias naquele momento paravam, porque as multidões afluíam, queriam ver, queriam tocar, queriam sentir a unção que estava sobre o Senhor, o Seu maravilhoso poder. Pois Ele era o Filho de Deus que estava aqui na terra para fazer a vontade do Pai; e a multidão, com toda a certeza, afluía. Realmente nós encontramos neste mundo muitos homens que atraem multidões: não pela sua eloquência, não pelo seu poder, não pelos dotes de que dispõem, mas pela unção que possuem na vida.

Um intervalo biográfico

Diz-nos a biografia de Finley que esse homem, quando chegava em todos os lugares onde ia, conquistava de imediato o ambiente. Certa ocasião ele chegou numa indústria, numa fábrica, com o povo trabalhando e as máquinas funcionando; mas assim que Finley entrou naquele lugar, diz o seu biógrafo, no mesmo instante os funcionários pararam de trabalhar, a ponto de interromper a atividade das próprias máquinas; porque quando Finley chegava, as pessoas afluíam, queriam ouvi-lo, queriam naturalmente sentir a unção que estava na vida daquele homem. E tudo parava, porque a presença de Deus era magnífica na vida de Finley! E quantos e quantos homens semelhantes! Como Smith Wigglesworth, que durante o seu ministério ressuscitou dezoito pessoas: onde aquele homem passava os paralíticos levantavam, os cegos podiam ver e o defunto era ressuscitado, porque o poder de Deus, a unção de Deus estava sobre a vida desses homens. Jesus Cristo disse: “obras maiores do que estas vocês farão, porque Eu vou para junto do Pai! [ [5] ]” Glórias ao nome de Jesus! E Deus tem levantado muitos homens no decorrer dos séculos, homens que têm sido realmente uma potência nas mãos do Senhor! Glória ao nome de Jesus! Smith Wigglesworth chegou um dia a dizer: “Senhor, eu estou cansado desta rotina, desta rotina, eu quero algo diferente!” Qual era a rotina de Smith Wigglesworth? A rotina de Smith era justamente ver o coxo levantar, o cego enxergar, o paralítico sair andando, era esta a sua rotina! E quantos de nós temos uma rotina desta, hein? Quantos de nós temos uma rotina preciosa como esta? Mas Smith não estava satisfeito apenas com aquilo, ele queria muito mais. Ele queria algo mais maravilhoso, magnífico! Então, irmãos, isto tudo depende do homem que se entrega nas mãos do Senhor, para ser usado em Suas mãos; e Deus está pronto, Ele está disposto a usar homens e mulheres com o poder e a autoridade do Espírito Santo! Ele não dá o Seu Espírito sob medida [ [6] ], mas é buscando que se acha, é batendo que se encontra [ [7] ].

Na rota da casa de Jairo, outra situação dramática

Então a unção estava sobre Jesus e as multidões afluíam para ouví-Lo, para tocá-Lo, para estar pertinho Dele. E nessa marcha para a casa de Jairo observamos que a multidão O estava oprimindo; Jairo, que já tinha obtido a palavra de que Jesus iria à sua casa, continuava ali por perto. Jairo já estava mais tranquilo, mais conformado, mas no meio dessa trajetória algo impressionante também aconteceu. Lemos aqui, no versículo vinte e cinco: Aconteceu que certa mulher que havia doze anos vinha sofrendo de hemorragia, e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despedido, despendido tudo quanto possuía, sem contudo nada aproveitar. Antes, pelo contrário, indo a pior. Indo a pior. Você pode imaginar o que significa uma mulher sofrer de uma hemorragia, de um sangramento, que já ia para doze anos? Você pode calcular o tormento que atingia a vida desta mulher, sem nenhuma saúde, ter de cuidar do seu lar naquelas condições? Cuidar da sua casa, dos filhos, do marido, com falta de saúde? Com aquele hemorragia, sem poder praticamente atender o seu esposo, você pode calcular o sofrimento desta mulher? O que é que estava acontecendo na vida dela? Não é fácil. Você, quando está com uma dor de cabeça, você pode tomar hoje um “doril”, e daqui há pouco a dor passa; quando você tem um mal-estar de estômago, é só tomar um comprimido ou um efervescente que daqui há pouco, pronto, você está bem novamente; você pode imaginar que está com uma febre, então toma um antitérmico e daqui há pouco é curado. Mas você pode calcular o que significa uma pessoa padecendo doze anos, doze longos anos? Quantas e quantas vezes aquela mulher foi se deitar e, quando despertou, estava em cima de uma poça de sangue? Quantas e quantas vezes aquela mulher pretendeu sair da sua casa e não pôde, porque a própria lei não permitia. Qualquer pessoa que tivesse alguma doença na pele, qualquer tipo de sangramento, e principalmente nos dias de suas regras, a mulher não podia praticamente sair de casa e nem tocar em nada [ [8] ]. Imagine esta mulher quantas e quantas vezes ficou presa na sua casa, sem poder sair; se o fizesse e fosse encontrada pela rua, junto de alguém, poderia ser apedrejada. Porque era contra a lei alguém que estivesse com qualquer fluxo de sangue, tocar em outrem: a pessoa era imunda e tornava imundo tudo aquilo que estivesse por perto. Você pode calcular o padecimento, o sofrimento desta mulher? E diz a Bíblia Sagrada que esta mulher procurou todos os recursos da medicina; ela procurou tudo aquilo que pudesse amenizar o sofrimento que a afligia. A Bíblia diz ainda que esta mulher despendeu, gastou toda a fortuna que tinha, porque queria a sua saúde; entretanto, ia de mal a pior. Não tinha remédio, nem autoridade médica, nem cientista naquela ocasião que pudesse dar solução ao problema daquela mulher. E o seu sofrimento, com toda a certeza, era grande. Não poder sair de casa, não poder estar no meio dos seus, não poder estar com as suas vizinhas; não podia, enfim, porque onde ela chegasse tornaria imundas todas as pessoas que se encontrassem por perto. Aqueles que sabiam disso naturalmente se afastavam dela, e então, além de ser um padecimento no corpo, no físico, ocorriam ainda esses problemas sociais e psicológicos. E, continua a Bíblia Sagrada, muito padecera à mão de vários médicos.

Descrição de um padecimento sem fim

Hoje, com a ciência médica evoluída, você sabe que, quando uma mulher vai fazer uma curetagem, com toda a tecnologia disponível a mulher ainda sofre; agora, imagine naquele tempo, em que não existiam os recursos de que dispomos hoje. Pense naquela época, quando a ciência médica não tinha qualquer tipo de equipamento específico para doenças femininas, como possui hoje; e então ela padecia, seguramente padecia na mão de médicos! Certamente os médicos queriam dar solução ao seu problema, mas não tinham como fazer isso, e o sofrimento aumentava cada vez mais. Por fim, diz a Bíblia, ela perdeu tudo: despendeu todos os seus recursos sem contudo tirar proveito nenhum, sequer livrar-se do sofrimento físico. Além dos problemas que poderia ter nas mãos de médicos, passando por situações vexatórias, ainda perder tudo o que tinha, pois gastou tudo o que possuía –– indo cada vez de mal a pior. Quantas pessoas estão neste momento sofrendo, quantas irmãs e irmãos estão padecendo não apenas com problema de hemorragia, mas quem sabe com sintomas de um câncer na sua vida; ou você que enfrenta o vírus HIV, você que já teve constatado que é soropositivo, que está simplesmente aguardando o dia da morte ou esperando que a ciência descubra uma droga diferente que venha solucionar o problema –– enquanto isso você se encontra, neste momento, no corredor da morte! Quantas e quantas pessoas estão cancerosas, nesta hora! Quantas e quantas pessoas não estão neste momento com o fígado totalmente esfacelado; ou aqueles que estão com pedras nos rins, sofrendo dores cruéis; estão caminhando por este mundo, mas caminhando através de um sofrimento terrível, debaixo do peso de uma enfermidade cruel. Que, quem sabe, o tem levado a hospitais, a especialistas, tem exigido passar dias e dias em máquinas de hemodiálise, e o sofrimento aumenta cada vez mais.

A força de uma decisão

Era este o padecimento daquela mulher de que nos fala a Bíblia. Mas um dia ela rompeu com o isolamento: ela soube que Jesus estava por perto, e reunindo todas as forças que ainda tinha, rompendo não apenas as forças, mas também todo o preconceito, e desafiando tudo aquilo que constituía o sistema da lei mosaica naquele tempo, aquela mulher se atirou ao seu objetivo, porque ouviu a fama de Jesus Cristo; ouviu que Jesus Cristo tinha ressuscitado mortos, tinha feito o coxo levantar e mover-se, purificado os leprosos. Ela ouviu tudo aquilo, ouviu aqueles testemunhos. E, como diz a Bíblia, a fé vem pelo ouvir, e ouvir a Palavra de Deus [ [9] ]. Aleluia! A sua fé foi sendo acrescentada, à medida em que ouvia as histórias, à medida em que chegava a seu conhecimento o que as pessoas estavam dizendo; e ela ouvia no seu leito: “Olhe, Jesus curou mais um cego, Jesus levantou mais um coxo, Jesus ressuscitou mais um morto, Jesus fez mais isso, limpou a pessoa que estava endemoninhada, fez aquele endemoninhado gadareno sair do cemitério e glorificar a Deus.” E aquilo foi alimentando e fortalecendo a fé daquela mulher. Porque diz o Apóstolo Paulo em sua Epístola aos Romanos, capítulo dez, versículo dezessete, que a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus. Sim querido irmão, sim, meu prezado amigo, minha irmã, você que está ouvindo esta palavra nesta hora, Jesus Cristo é o mesmo de ontem, hoje e eternamente. O Seu poder não mudou, nunca mudará, porque Nele não há mudança e nem sombra de variação, o Seu poder saneador continua, e Ele está presente nesta hora, no nosso meio, na nossa vida, aí no seu leito, aí na sua casa; e Ele pode levantá-lo agora mesmo, porque Ele tem poder além daquilo que você possa imaginar. Glória a Jesus! E diz aqui o versículo vinte e sete: E tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe na vestes. Ela saiu rompendo a multidão, saiu no meio daquele povo, as dores dominando o seu corpo.

Você pode imaginar neste momento aquela mulher se arrastando pelo meio da multidão, as dores agudas presentes no seu corpo, toda a inquietação pela transgressão da regra social que passava em sua mente naquela hora, pois se fosse descoberta seria lançada fora, posta de lado, eis que estava fazendo com que todo o mundo ficasse imundo naquela lugar. Porque assim a lei dizia, com referência a qualquer pessoa que tivesse fluxo de sangue. E lá estava esta mulher havia doze anos com uma hemorragia crônica! Doze anos, irmãos, não são doze dias, são doze longos anos durante os quais, diz a Bíblia, viveu padecendo na mão dos médicos, gastando todos os recursos que possuía. Você pode calcular o estado desta mulher? A sua fragilidade? Devia estar um palito de magra! Porque o sofrimento lhe causava dores horríveis! Mas levantar-se do leito naquele momento, com todas as suas dores, não levando em consideração nada daquilo, e ter de enfrentar uma multidão que estava sadia! E ela vem, e diz a Bíblia que ela vem por trás, vem caminhando por trás, arredando um, arredando outro, passando por perto de um, passando perto de outro, vem um e a empurra, vem outro e a afasta; mas o intento de todo o seu ser naqueles instantes cruciais era aquele: “Se eu apenas tocar na orla de sua veste, eu serei curada, eu serei curada! Eu vou ser curada!” Mas vem outro e a empurra para mais longe. E você pode imaginar esta mulher se arrastando, caindo, e se levantando, persistindo, pois ela tinha um objetivo na vida: era tocar na vestimenta de Jesus Cristo. Glória ao nome de Jesus!

É importante ter firme o seu propósito

Talvez você também esteja sofrendo da forma como aquela mulher sofria. Mas eu quero que você entenda que você não deve ser apenas mais um no meio da multidão, mas que você tenha um objetivo, um objetivo certo, um alvo a ser atingido, e que nada venha tirar ou demover este alvo da sua vida! É claro e natural que você deseje a sua cura! Você deseja ficar são, sadio, você quer voltar ao seu campo de atividade normal, você quer retomar todas as suas atividades! Você que está licenciado pelo INSS, licenciado do seu serviço, porque uma enfermidade o acometeu, não fique deitado aí, simplesmente usufruindo da pensão que você recebe, do recurso que você tem do governo; mas diga: “Hoje eu vou ser curado, porque vou tocar na orla da veste de Jesus Cristo!” E aquela mulher veio rompendo a multidão. E ela dizia no seu coração: “Se apenas eu tocar na sua veste, eu ficarei curada.” Isto é objetivo, isto é alvo, isto é confiança, isto é fé, isto é certeza e convicção de que seria curada; então veio por trás dele e lhe tocou a orla da veste [ [10] ], diz a Bíblia, e logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo. Glória ao nome de Jesus!

Vitória alcançada!

Aquela mulher, depois de tanta angústia, tanta luta, depois de tanta correria, depois de tanto empurra-empurra, ela finalmente chegou onde Jesus Cristo estava; e ao tocar na orla, na beiradinha do seu traje, diz a Bíblia que logo sentiu que estava curada do seu flagelo! Ela nem tocou em Jesus, ela tocou apenas na Sua vestimenta! Glória eterna ao nome de Jesus! Aleluia! Mas não foi apenas isso. Diz aqui, no versículo trinta, que Jesus, reconhecendo imediatamente que Dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem me tocou nas vestes? Quem foi que tocou na minha túnica?” Os Seus discípulos nesse momento não entenderam; pensaram até que Jesus estivesse brincando. A Bíblia registra que reagiram um tanto espantados: vês que a multidão te aperta e dizes, quem me tocou? “É tanta gente Te tocando, Senhor, é tanta gente vindo perto de Ti, neste local, e tocando em Tua vestimenta, tocando em Tua vida, há tanta gente aqui fazendo isto!” Mas meus irmãos, Jesus sabia que ali havia ocorrido um toque diferente.

Jesus percebeu o poder da ação

Um toque diferente surgira do meio da multidão, e é este toque que você precisa dar hoje! Um toque diferente de tudo e de todos: todos estavam tocando, mas nenhum com aquele objetivo poderoso que aquela mulher alimentava! Alguns tocavam por curiosidade, alguns tocavam simplesmente “eu quero ver o que é que vai me acontecer”, mas aquela mulher tinha no seu coração um intenso propósito: “Se eu apenas tocar eu serei curada; se apenas eu tocar na orla da sua vestimenta, eu serei sarada, hoje mesmo eu vou deixar esse fluxo de sangue aqui, eu você sair daqui sadia, se ao menos eu tocar na orla da vestimenta de Jesus Cristo!” Aleluia! E naquele momento Jesus perguntou: “Quem me tocou?” E os discípulos, atônitos, viraram-se para Ele: “mas Senhor, a multidão Te toca, e tu perguntas, quem me tocou?” Mas Jesus replicou, esclarecendo: “Eu senti um toque diferente, Eu senti um toque diferente!” Glória ao nome de Jesus! Ele porém olhava ao redor para ver quem fizera isto, porque sentira que Dele saíra virtude. Fora um toque de fé, um toque de confiança, um toque de alguém que queria alguma coisa diferente. Jesus sentiu esse toque diferente em Sua vida! E ali estava a mulher completamente curada. “Agora já não há mais problema, pode acontecer comigo o que acontecer.” Então, diz aqui a Bíblia, no versículo trinta e três, a mulher atemorizada, e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio e prostrou-se diante Dele e declarou-Lhe toda a verdade. Aquela mulher prostrou-se aos pés do Senhor, e podemos entender que, naturalmente, ela Lhe fez um relatório sucinto: “Senhor, eu estava doente há doze anos, Senhor! Senhor, eu vinha sofrendo na mão da medicina, Senhor! Senhor, eu gastei tudo aquilo que tinha na minha vida, Senhor; mas agora algo diferente aconteceu na minha vida, no momento em que eu toquei na tua vestimenta!” Glória ao nome de Jesus! Jesus olhou para aquela mulher, e disse: Filha, a tua fé te salvou, vai-te em paz, e fica livre do teu mal!

Aproprie-se desta mensagem!

Ouça de Jesus Cristo esta palavra agora, você que está doente, você que está paralítico, você que está num leito de enfermidade, você que está sofrendo há anos aí, na sua casa; agora mesmo ouça Jesus Cristo dizer para você: “Filho, fica livre do teu mal!” Glória a Deus! Ele quer a sua saúde, Ele quer que você caminhe firme, Ele quer que você esteja sadio, é isso que Ele deseja, não que você fique padecendo em enfermarias, em leitos de hospital, passando por ambulatórios, nas mãos de médicos que não sabem o que fazer! E há ainda um outro grande problema que enfrentamos na atualidade: muitos de nós estamos satisfeitos como nos achamos; estamos com um bom plano médico, estamos com um bom plano de saúde, para que medicina? Eu quero continuar doente, porque o meu plano de saúde cobre todo o recurso; o meu plano de saúde me dá direito aos melhores médicos, aos especialistas no assunto; o meu plano de saúde me dá direito a grandes hospitais, o meu plano de saúde me garante ainda um bom seguro de vida. Dê um basta a esse plano de saúde e vá para os pés de Jesus, porque o que Ele quer é a sua cura, Ele quer a sua saúde; mas se você se conformar com essa doença, você vai morrer com ela. Mas se hoje você lhe der um basta, e disser: “Eu vou tocar em Cristo, eu sei que Ele tem a cura para minha vida, eu sei que Ele tem a saúde que eu preciso, eu sei que Ele pode hoje me levantar deste leito, eu sei que Ele pode fazer alguma coisa por mim!” Dê um toque diferente Nele! Dê um toque diferente em Jesus Cristo, toque com o toque da fé, e você vai ver a glória de Deus derramar-se sobre a sua vida, como veio naquela mulher!

Agora sim, agora ela seguia a multidão, estava misturada ao povaréu, não mais com aquela hemorragia, não mais com aquelas dores, mas estava no meio do povo, uma mulher grata, uma mulher sadia, uma mulher perfeita, porque Jesus Cristo, quando cura, cura com perfeição! Glória ao nome de Jesus! Para trás, ficaram as dores; para trás, ficou a hemorragia; para trás, ficaram os médicos; para trás, ficou toda a dor que ela passou; para trás ficou todo o seu sofrimento; e, agora, ela se encontrou com o Autor da vida, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

A filha de Jairo morre

Mas irmãos, a cada passo que se dava, alguém interrompia Jesus, e Jairo estava aflito de novo. A demora era grande. Será que vai acontecer alguma coisa? E a Bíblia menciona que falava ele ainda, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, a quem disseram: Tua filha já morreu; por que ainda incomodas o Mestre? Olhe só o que disse aqui o secretário de Jairo: “por que incomodas o Mestre, ainda? Por que tu estás incomodando Jesus ainda, insistindo com Ele para ir à tua casa? A tua filha já morreu, ela está morta! Não tem mais jeito, não tem mais solução! Não há mais quem possa fazer algo por ela!” Irmãos, no meio da multidão Jesus está atento aos mínimos detalhes que vêm de um coração contrito. No meio da multidão Jesus ouviu o clamor de Bartimeu [ [11] ]. No meio da multidão Jesus havia atendido o pedido pela filha de Jairo. No meio da multidão estava aquela mulher com fluxo de sangue. Há um toque diferente no seu clamor, na sua voz, na sua oração. Quando este grupo chegou com Jairo e disse, “por que incomodas o mestre se a tua filha já morreu e não tem mais jeito?” Jesus, sem acudir a tais palavras, porque Jesus não dá crédito a palavras de incrédulos –– eis que Jesus não está aqui para observar o que os pessimistas estão dizendo ––, Ele disse ao chefe da sinagoga: Não temas, mas crê somente, porque se tu creres, verás a glória de Deus! [ [12] ]” Jesus não apenas cura um fluxo de sangue, mas Ele faz um morto reviver! E é isto que Ele pode fazer na sua vida, ainda hoje; se você crê, você vai ver a glória de Deus vir sobre a sua vida, louvado seja o nome do Senhor!

Jesus curou ontem, cura hoje e curará sempre

Você que está doente, você que está acamado, ou está numa cadeira de rodas, eu quero que você entenda que o Senhor é onipresente. Ele está presente neste momento aí na sua casa, Ele está presente aí, sinta nesse momento a presença Dele, sinta; eu não vou pedir para você colocar a mão em cima de algum objeto, eu não vou pedir para você tomar copo d’água, eu não vou pedir para você fazer nada disso, apenas sinta a presença Dele aí, em espírito e em verdade, sinta. E dê um toque Nele agora, um toque diferente, um toque de fé: “Jesus, eu vou me levantar daqui agora, em Teu santo nome; Jesus eu vou ser curado daqui neste momento, porque a Tua presença é magnífica aqui no meu lar, a Tua presença é grandiosa aqui neste local, a Tua presença está em todo o lugar. Tu estás aqui assim como estavas lá com Jairo, e estavas com aquela mulher; Tu estás aqui neste instante, agora mesmo!”

Aleluia!

Querido irmão, querida irmã, você que está doente, dê um toque diferente, e diga: “Jesus, eu quero a minha cura agora, em Teu nome; em Teu nome eu mando que todo o mal saia, que toda a enfermidade bata em retirada, e eu vou me levantar daqui agora, em nome de Jesus Cristo!” Glória ao nome de Jesus! Aleluia! Receba nesta hora a cura que o Senhor ministra na sua vida, porque nós estamos pregando aqui na autoridade de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo! Jesus, muito obrigado, porque Tu ouves a nossa oração, Tu és o grande Jeová Rafá, o Senhor que Cura! [ [13] ] Glorificamos-Te! Amém!

[ [1] ] Nós cremos que essa passagem da memória para o papel foi orientada e sustentada pelo Espírito Santo, que garante sua fidelidade; entretanto, como Deus respeita a individualidade de seus servos, o leitor encontrará pequenas diferenças de evangelho para evangelho, contribuições pessoais de cada autor, segundo a realidade que podia enxergar no momento da redação (nota da transcrição).

[ [2] ] Mateus 8:8-9.

[ [3] ] Hebreus 11:1.

[ [4] ] Lucas 11:9-10.

[ [5] ] João 14:12.

[ [6] ] João 3:34.

[ [7] ] Lucas 11:9.

[ [8] ] Levítico, capítulo 15.

[ [9] ] Romanos 10:17.

[ [10] ] Lucas 8:44, ligeiramente diferente de Marcos 5:27.

[ [11] ] Marcos 10:46.

[ [12] ] João 11:40.

[ [13] ] Êxodo 15:26.